sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

O RELATO - 2 DE FEVEREIRO

Domingo, 2 de Fevereiro de 1908
Lisboa – Paço das Necessidades


Embalsamamento


De manhã missas. È enorme o alvoroça na cidade, mas a ordem não foi alterada. As tropas precisam de ser elogiadas porque teem estado admiraveis de fidelidade. E dizia-se o contrario.
O João Franco demitiu-se hoje.
Ás 2h p.m. começou o embalsamamento d’El Rei e do querido Principe Real. Presentes o Conselheiro Silva Amado por parte do Conselho Medico Legal e os Medicos da Real Camara Lencastre, Tavares, Ravara, Meirelles e eu. O Barros da Fonseca não poude assistir por estar doente. O grande trabalho foi feito pelo grande Rocha do Hospital de S. José. Também assistiu o Ferreira Pharmaceutico da Casa Real. Às 7 h p.p. interrompemos para jantar. Ás 8 h. continuamos e seguimos pela noite dentro. Tudo muito difficil por causa dos estragos das balas.
Bom tempo


Thomaz de Mello Breyner - 4º Conde de Mafra

2 comentários:

Anónimo disse...

Relato fantástico. Realmente teu Bisavô era uma pessoa á parte. Ainda bem que ele nos deixou aquelas interessantes memórias. Estes diários devem ser fantásticos

Abraços

LA

Brancamar disse...

Interessante relato!Ficamos até a ter uma noção da quantidade de horas que foi preciso trabalhar no Embalsamamento e de como as tropas se movimentavam. Fantástico seu bisavô, não lhe escapou nenhum pormenor.
Abraços